#livingabroad

Living Abroad

The Origin Of Halloween

halloween

🇺🇸 Hi Guys!!! Sorry, it took me like a week, but here is the full text on the origin of Halloween available on The History Channel website.

HISTORY OF HALLOWEEN

Halloween is an annual holiday, celebrated each year on October 31, that has roots in age-old European traditions. It originated with the ancient Celtic festival of Samhain, when people would light bonfires and wear costumes to ward off ghosts. In the eighth century, Pope Gregory III designated November 1 as a time to honor all saints; soon, All Saints Day incorporated some of the traditions of Samhain. The evening before was known as All Hallows Eve, and later Halloween. Over time, Halloween evolved into a day of activities like trick-or-treating and carving jack-o-lanterns. Around the world, as days grow shorter and nights get colder, people continue to usher in the season with gatherings, costumes and sweet treats.

Halloween’s origins date back to the ancient Celtic festival of Samhain (pronounced sow-in). The Celts, who lived 2,000 years ago in the area that is now Ireland, the United Kingdom and northern France, celebrated their new year on November 1.

This day marked the end of summer and the harvest and the beginning of the dark, cold winter, a time of year that was often associated with human death. Celts believed that on the night before the new year, the boundary between the worlds of the living and the dead became blurred. On the night of October 31 they celebrated Samhain, when it was believed that the ghosts of the dead returned to earth.

In addition to causing trouble and damaging crops, Celts thought that the presence of the otherworldly spirits made it easier for the Druids, or Celtic priests, to make predictions about the future. For a people entirely dependent on the volatile natural world, these prophecies were an important source of comfort and direction during the long, dark winter.

To commemorate the event, Druids built huge sacred bonfires, where the people gathered to burn crops and animals as sacrifices to the Celtic deities. During the celebration, the Celts wore costumes, typically consisting of animal heads and skins, and attempted to tell each other’s fortunes.

When the celebration was over, they re-lit their hearth fires, which they had extinguished earlier that evening, from the sacred bonfire to help protect them during the coming winter.

By 43 A.D., the Roman Empire had conquered the majority of Celtic territory. In the course of the four hundred years that they ruled the Celtic lands, two festivals of Roman origin were combined with the traditional Celtic celebration of Samhain.

The first was Feralia, a day in late October when the Romans traditionally commemorated the passing of the dead. The second was a day to honor Pomona, the Roman goddess of fruit and trees. The symbol of Pomona is the apple, and the incorporation of this celebration into Samhain probably explains the tradition of “bobbing” for apples that is practiced today on Halloween.

On May 13, 609 A.D., Pope Boniface IV dedicated the Pantheon in Rome in honor of all Christian martyrs, and the Catholic feast of All Martyrs Day was established in the Western church. Pope Gregory III later expanded the festival to include all saints as well as all martyrs, and moved the observance from May 13 to November 1.

By the 9th century the influence of Christianity had spread into Celtic lands, where it gradually blended with and supplanted the older Celtic rites. In 1000 A.D., the church would make November 2 All Souls’ Day, a day to honor the dead. It’s widely believed today that the church was attempting to replace the Celtic festival of the dead with a related church-sanctioned holiday.

All Souls Day was celebrated similarly to Samhain, with big bonfires, parades, and dressing up in costumes as saints, angels and devils. The All Saints Day celebration was also called All-hallows or All-hallowmas (from Middle English Alholowmesse meaning All Saints’ Day) and the night before it, the traditional night of Samhain in the Celtic religion, began to be called All-Hallows Eve and, eventually, Halloween.

Celebration of Halloween was extremely limited in colonial New England because of the rigid Protestant belief systems there. Halloween was much more common in Maryland and the southern colonies.

As the beliefs and customs of different European ethnic groups as well as the American Indians meshed, a distinctly American version of Halloween began to emerge. The first celebrations included “play parties,” public events held to celebrate the harvest, where neighbors would share stories of the dead, tell each other’s fortunes, dance and sing.

Colonial Halloween festivities also featured the telling of ghost stories and mischief-making of all kinds. By the middle of the nineteenth century, annual autumn festivities were common, but Halloween was not yet celebrated everywhere in the country.

In the second half of the nineteenth century, America was flooded with new immigrants. These new immigrants, especially the millions of Irish fleeing the Irish Potato Famine, helped to popularize the celebration of Halloween nationally.

Borrowing from Irish and English traditions, Americans began to dress up in costumes and go house to house asking for food or money, a practice that eventually became today’s “trick-or-treat” tradition. Young women believed that on Halloween they could divine the name or appearance of their future husband by doing tricks with yarn, apple parings or mirrors.

In the late 1800s, there was a move in America to mold Halloween into a holiday more about community and neighborly get-togethers than about ghosts, pranks and witchcraft. At the turn of the century, Halloween parties for both children and adults became the most common way to celebrate the day. Parties focused on games, foods of the season and festive costumes.

Parents were encouraged by newspapers and community leaders to take anything “frightening” or “grotesque” out of Halloween celebrations. Because of these efforts, Halloween lost most of its superstitious and religious overtones by the beginning of the twentieth century.

By the 1920s and 1930s, Halloween had become a secular, but community-centered holiday, with parades and town-wide Halloween parties as the featured entertainment. Despite the best efforts of many schools and communities, vandalism began to plague some celebrations in many communities during this time.

By the 1950s, town leaders had successfully limited vandalism and Halloween had evolved into a holiday directed mainly at the young. Due to the high numbers of young children during the fifties baby boom, parties moved from town civic centers into the classroom or home, where they could be more easily accommodated.

Between 1920 and 1950, the centuries-old practice of trick-or-treating was also revived. Trick-or-treating was a relatively inexpensive way for an entire community to share the Halloween celebration. In theory, families could also prevent tricks being played on them by providing the neighborhood children with small treats.

Thus, a new American tradition was born, and it has continued to grow. Today, Americans spend an estimated $6 billion annually on Halloween, making it the country’s second largest commercial holiday after Christmas.

The American Halloween tradition of “trick-or-treating” probably dates back to the early All Souls’ Day parades in England. During the festivities, poor citizens would beg for food and families would give them pastries called “soul cakes” in return for their promise to pray for the family’s dead relatives.

The distribution of soul cakes was encouraged by the church as a way to replace the ancient practice of leaving food and wine for roaming spirits. The practice, which was referred to as “going a-souling” was eventually taken up by children who would visit the houses in their neighborhood and be given ale, food and money.

The tradition of dressing in costume for Halloween has both European and Celtic roots. Hundreds of years ago, winter was an uncertain and frightening time. Food supplies often ran low and, for the many people afraid of the dark, the short days of winter were full of constant worry.

On Halloween, when it was believed that ghosts came back to the earthly world, people thought that they would encounter ghosts if they left their homes. To avoid being recognized by these ghosts, people would wear masks when they left their homes after dark so that the ghosts would mistake them for fellow spirits.

On Halloween, to keep ghosts away from their houses, people would place bowls of food outside their homes to appease the ghosts and prevent them from attempting to enter.

Halloween has always been a holiday filled with mystery, magic and superstition. It began as a Celtic end-of-summer festival during which people felt especially close to deceased relatives and friends. For these friendly spirits, they set places at the dinner table, left treats on doorsteps and along the side of the road and lit candles to help loved ones find their way back to the spirit world.

Today’s Halloween ghosts are often depicted as more fearsome and malevolent, and our customs and superstitions are scarier too. We avoid crossing paths with black cats, afraid that they might bring us bad luck. This idea has its roots in the Middle Ages, when many people believed that witches avoided detection by turning themselves into black cats.

We try not to walk under ladders for the same reason. This superstition may have come from the ancient Egyptians, who believed that triangles were sacred (it also may have something to do with the fact that walking under a leaning ladder tends to be fairly unsafe). And around Halloween, especially, we try to avoid breaking mirrors, stepping on cracks in the road or spilling salt.

But what about the Halloween traditions and beliefs that today’s trick-or-treaters have forgotten all about? Many of these obsolete rituals focused on the future instead of the past and the living instead of the dead.

In particular, many had to do with helping young women identify their future husbands and reassuring them that they would someday—with luck, by next Halloween—be married. In 18th-century Ireland, a matchmaking cook might bury a ring in her mashed potatoes on Halloween night, hoping to bring true love to the diner who found it.

In Scotland, fortune-tellers recommended that an eligible young woman name a hazelnut for each of her suitors and then toss the nuts into the fireplace. The nut that burned to ashes rather than popping or exploding, the story went, represented the girl’s future husband. (In some versions of this legend, the opposite was true: The nut that burned away symbolized a love that would not last.)

Another tale had it that if a young woman ate a sugary concoction made out of walnuts, hazelnuts and nutmeg before bed on Halloween night she would dream about her future husband.

Young women tossed apple-peels over their shoulders, hoping that the peels would fall on the floor in the shape of their future husbands’ initials; tried to learn about their futures by peering at egg yolks floating in a bowl of water; and stood in front of mirrors in darkened rooms, holding candles and looking over their shoulders for their husbands’ faces.

Other rituals were more competitive. At some Halloween parties, the first guest to find a burr on a chestnut-hunt would be the first to marry; at others, the first successful apple-bobber would be the first down the aisle.

Of course, whether we’re asking for romantic advice or trying to avoid seven years of bad luck, each one of these Halloween superstitions relies on the goodwill of the very same “spirits” whose presence the early Celts felt so keenly.

SOURCE: http://www.history.com/topics/halloween/history-of-halloween

 

Trips & Tips

5 maneiras legais de vir morar nos Estados Unidos

Immigrate USA

🇧🇷 Muitas pessoas frequentemente me perguntam como se faz para vir morar no Estados Unidos. Então eu separei cinco maneiras legais de se mudar para cá, por um intervalo de tempo ou para sempre, sem precisar contratar nenhum coiote, correr pelo deserto, entrar em nenhuma balsa, ou ser “mula” de ninguém.

1- EB5 – Visto de Investidor

Em 1990, o congresso americano criou o programa EB5 para estimular a economia americana através de criação de empregos e investimentos em capital por investidores estrangereiros.

Sendo assim, você pode obter o visto EB5 investindo diretamente em uma empresa nos Estados Unidos, isto é, fundando uma nova empresa ou recuperando uma empresa em crise, ou indiretamente, através de uma empresa parceira, gerando, em ambos os casos, pelo menos 10 empregos de tempo integral, cuja duração deve ser garantida por no mínimo dois anos. Outra maneira de ser elegível ao EB5 é fazendo um investimento capital de 1 milhão de dólares através de um centro regional, aprovado pela USCIS, que investe o dinheiro pra você. Se seu investimento for em uma área rural ou de alto desemprego, o valor requerido é de 500 mil dólares.

A vantagem do EB5 é que ele é um visto de imigração que permite a solicitação imediata do cartão de residência permanente, o famoso Green Card.

Para informações detalhadas sobre a categoria de visto EB5 acesse: EB5 Visa Classification e aproveite para praticar seu reading!

Mas e se a grana tá curta? Então veja a seguir opções mais tangíveis …

2- L1 – Visto de transferência interna

O L1 é utilizado pelas empresas que têm subsidiárias, filiais ou sede nos Estados Unidos e querem trazer um funcionário estrangeiro para trabalhar aqui. Para ser elegível, o funcionário precisa ter exercido uma função de gerência, gerência executiva, ou de conhecimento especializado, por exemplo um tecnico de alto nível na empresa, por pelo menos um ano, durante os último três anos e estar vindo para ocupar uma posição semelhante.

A primeira vez que o L1 é emitido, ele é normalmente válido por três anos, podendo ser renovado a cada dois anos por duas vezes, ou seja, você pode ficar nessa categoria por até sete anos. A vantagem do L1 é que embora ele não seja um visto de imigracão, como o EB5, ele é um visto de “dual intent” (inteção dupla), ou seja, ele permite que seu empregador te patrocine um Green Card a qualquer momento.

Por isso pessoal, se você se vê morando aqui, uma ótima opção é investir desde cedo no seu inglês e na sua carreira dentro de uma empresa ou insituição em que exista a possibilidade de transferência. L1 visas não são somente emitidos por empresas privadas, mas por ONGs e igrejas também.

Para informações detalhadas sobre a categoria de visto L1 acesse: L1 Visa Classification e aproveite para praticar seu reading!

3-  H1B – Visto de Trabalho

Esse visto pode tanto ser emitido pela empresa para a qual você já trabalha, e que tem escritorios ou sede nos EUA, ou por uma empresa americana que queira te contratar para trabalhar nos Estados Unidos.

Para ser elegível, além de ter conhecimento específico na área em que irá atuar, o trabalhador precisa ter no mínimo bacharelado ou experiência de trabalho equivalente – três anos de experiência de trabalho equivalem a um ano de faculdade, isto é, se você não tiver faculdade, você precisa de no mínimo doze anos de experiêmcia na área em que você irá atuar.

Quando emitido o H1B é válido inicialmente por 3 anos e pode ser renovado mais uma vez por mais 3 anos. A vantagem do H1B é que, assim como o L1, ele é um visto de “dual intent” (inteção dupla), permitindo que seu empregador patrocine o seu Green Card.

Entretanto, o H1B tem algumas desvantagens como, por exemplo, o número de solicitações de H1B, que chega a ser mais de 200,000 por ano fiscal, ultrapassa as 65,000 petições aceitas anualmente pela USCIS (source: USCIS H1B Fiscal Year Petitions Cap), o que faz com que a USCIS submeta os processos a uma loteria eletrônica. Se seu processo for escolhido, só então ele será avaliado e, se aprovado, você poderá ir ao consulado tirar seu visto H1B. Caso seu processo não seja selecionado, você terá que tentar novamente no ano seguinte. A submissão das solicitações pode ser feita a partir de 1 de Abril e encerra quando o cap é atingido, o que nos últimos anos tem ocorrido em uma semana. Outra desvantagem é que o esposo ou a esposa do portador do H1B não tem permissão para trabalhar, ou seja, só haverá uma fonte renda para a família.

Para informações detalhadas sobre a categoria de visto H1B acesse: H1B Visa Classification e aproveite para praticar seu reading!

4-  J1 -Visto de Intercâmbio Cultural

O J1 é utilizado para programas de intercâmbio cultural de estudo e trabalho como, por exemplo, o programa de aupair ou trabalho de férias – Mas fique atento porque muitos desses programas tem limite de idade, então se você tem vontade de fazer intercâmbio, não demore muito para fazer. Se joga!!!

A validade do J1 é normalmente proporcional a duração inicial do seu programa de estudos. Por exemplo, o programa de aupair tem duração de um ano podendo ser estendido por até dois anos. Sendo assim, quando emitido, o J1 terá validade de um ano, e se o (a) aupair resolver estender o porgrama, a estadia do (a) aupair continuará legal, mas o visto estará expirado, a não ser que o (a) aupair vá ao consulado americano no Brasil e solicite a renovação. Não pesquisei, mas acredito que a renovação possa ser um porcesso mais rápido atualmente por causa do CASV.

Diferente do L1 e do H1B, o J1 é um visto de “single intent” (intenção única) o que quer dizer que a USCIS espera que você venha fazer seu programa e depois volte para seu país de origem. É claro que muita coisa pode acontecer enquanto você faz seu intercâmbio, por exemplo, uma proposta de emprego ou de casamento hehe, mas aqui eu estou falando do visto em si!

Para informações detalhadas sobre a categoria de visto J1 acesse: J1 Visa Classification e aproveite para praticar seu reading!

5- F1 – Visto de Estudante

Como o próprio nome já diz, “estudante”, esse visto é para quem quer vir estudar nos Estados Unidos, tanto ESL – English as a Second Language (inglês como segunda língua), como cursos de nível superior (graduação, pós, mestrado, doutorado, especialização, etc)

O legal desse visto é que você pode trabalhar no campus da faculdade por 20 horas semanais durante o período letivo e quando você conclui o curso de nível superior, você pode solicitar uma permissão de trabalho através de um privilégio chamado OPT – Optional Practical Training (treinamento prático opicional), e trabalhar por um ano em qualquer emprego relacionado a sua área de estudos e, caso sua área de estudos seja um curso de STEM – Science, Technology, Engineering, and Mathematics (ciência, tecnologia, engenhraia, e matemática), você pode extender sua permissão de trabalho por mais um!

Assim como o J1, o F1 é um visto não imigrante de “single intent”, portanto, você não pode pedir um Green Card enquanto estiver nessa categoria, mas se você encontrar um empregador que queira patrocinar o seu visto H1B, você pode ajustar o seu status, mudando de um visto de “single intent” para “dual intent” e enventualmente você poderá adquirir o seu Green Card.

Nota importante: o OPT não pode ser solicitado por alunos de ESL, mas uma coisa bacana é que curso de inglês pode ser feito no visto B1/B2 – visto de visita de negócios e turismo, contanto que seja um curso de meio período. Sendo assim, se você for vir de férias e quiser aproveitar para estudar inglês, pode!

Para informações detalhadas sobre a categoria de visto F1 acesse: F1 Visa Classification e aproveite para praticar seu reading!

Embora essas não sejam as únicas maneiras de vir morar nos Estados Unidos por um tempo ou para sempre, espero que essas sugestões tenham ajudado e esclarecido algumas dúvidas. Caso tenham mais perguntas deixem um comentário aí embaixo do post ou enviem um e-mail para meninaviajei@gmail.com

China Diaries

Day 1: Taking off, landing, and checking in

IMG_3502If the countless miles of hiking and climbing weren't enough, you gotta squat to pee! I'm looking forward to my badass sculpted glutes and thighs in 10 days :D

🇺🇸 Prior to take off I experienced a busy 48 hours eased by Amazon Prime and its guaranteed 2-day-delivery system. Compression socks, string backpack, passport, money pouch, sunscreen, rain poncho, hand sanitizer, tushy wipes (yep! Most bathrooms in China do NOT carry toilet paper – Also, observe the post featured image for a detailed view of China’s, I’d say unique type of potty!), finally the journal and some glue stick for the pics.

Taking off …

Taking off always makes me nervous, but flying long hours is not something I look forward to either. The first leg was about 3 hours from Miami Int’l to Detroit, MI. After a two-hour layover and an amazing burger with bacon, some Italian cheese, arugula, and French fries, we boarded to experience a second take-off accompanied by a “two-second dip” turbulence which seemed to detach my stomach from the rest of my body. Sort of how you feel when you ride those fast falling elevator rides (drop rides) at theme parks. But theme parks’ rides are less likely to kill you compared to an airplane, in which you’re flying, falling.

One scare and four to five movies plus a two-hour nap later, we were one hour away from landing in Beijing. I can tell you that almost 14 hours sitting in coach is not fun. But when the kid sitting next to you starts puking, oh well, the 13 hours that you have been squeezed on your seat becomes a little less fun!

As a good and disgusted, in fact, grossed out big time, Christian, I went to the back of the plane and asked the flight attendant for wet wipes and paper towel, so the Georgian boy could clean up his vomited lap, hand, mouth … Oh, Lord! But if the watermelon, involved in gastric juices, pouring like a jet out of his mouth weren’t enough, 30 minutes before landing he starts calling the “Hugh” again. I was already nauseous from motion sickness due to being on the plane for so long. I just could take the show no more. Ten minutes before landing, my own digestive pyrotechny started, and I got to see again my own watermelon chunks too J

Landing …

All gastric juices spilled and collected by plastic bags apart, landing was smooth and deeply appreciated. Beijing airport is simply humongous. Beautiful. But before I got to see it properly, I had to experience a bit of discrimination against my Brazilian passport, originated from a Chinese national health precaution. I was not alone though. Ana and Juan, my Mexican and Venezuelan classmates respectively, were taken to a quarantine room with me, escorted by officers, before we could pass immigration. Because we did not have American passports, the Chinese immigration officers implied that, although we were coming from America with our American professors and classmates, we could be potential carriers of Zika virus – note that Miami, at the time, had an epidemic of Zika, but I guess when your passport is American, a shield grows around you, making you immune to almost anything? Oh well, we had our temperatures taken, we filled out a few forms, including declaring not to have thrown up in the past 24 hours – I didn’t take those watermelon chunks into account here. They were not because of Zika fever! – Finally, we were clear to go through the regular immigration admission process.

Checking in …

Welcome to Beijing! After freaking Dr. Christ, Dr. M, and the whole group out due to our sudden disappearance, the three of us joined them at the baggage claim area and, as we exited customs, we met our knowledgeable, resourceful, kind, and English-language-challenged guide Xin, or Nix (his tag upside down), as he liked to be called on tours.

While riding the bus on airport grounds, we got to witness Beijing’s airport’s size and the growth of my appreciation for Chinese landscaping. Very detailed. Very meticulous. Precise. Pretty. Except for all the Chinese words, symbols, and blue and white highway signs, instead of green and white – traffic signs in Brazil are similar to the USA’s – in many aspects, Beijing looks very much like São Paulo, Brazil.

However, comparing the Chinese city to American cities, the city’s layout and buildings’ appearance are very different, for example, the AC units hang out of the buildings, most constructions have a faded aspect, and all properties are gated. There were also a lot of buses on the streets. Public transportation in Florida is very scarce. I’ve lived in Florida for over 4 years and I still don’t know any bus schedule!

We checked in at the Tiantan Hotel. The place was very simple, the employees were friendly, but only the front desk spoke some English. We took our bags up, figured out the uncommon power system of the room (lights and AC only run if the room key is in an insert by the door), and headed out for our first local Chinese dinner. Concerning the power system of the room though, I would like to add that, per my well-traveled boyfriend, the keeping the key in an insert by the door thing is not uncommon at all, my roommate Shereene and I that were too short on hotel stays experience!

Back from dinner, which surprisingly tasted like the food from the “China House” by my place in the States and was great, my roommate and I passed out. Shereene, who is one of the sweetest girls I have ever met told me on day 2 morning (I wrote this day 1 entry in retrospect) that I was so tired that she asked me to turn off the light, and I responded in some non-English mumble jumble, turned it off, and fell right into a deep sleep.

 

PS: We lost “half a day” because of the time zone. On the cool side,  we were living in the future! 😏

China Diaries

2 in 1: I’m not talking shampoo and conditioner, nor mayo and ketchup bottle, I’m talking Brazil→ USA→ China!

IMG_7443

🇺🇸 When the seed for the study abroad program in China was planted by Dr. Christ, my Business professor, it sounded brilliant, thrilling, but also easy. As an international student from Brazil about to graduate from an American college, I felt “vaccinated” against homesickness and culture shocks.

After my sweet-handsome-one-of-a-kind boyfriend decided to give me the “Business and Culture in China staff led study abroad program” as a Christmas present, barely did I know what was expecting me. It would be brilliant, it would be thrilling, but it wouldn’t be easy at all.

Living Abroad

Newcomer pains…

almoco

🇺🇸 I can’t speak for every soul in every living abroad experience, but I can definitely share mine with you. About a month ago I was asked how moving to the USA and living abroad was like, and I can tell you that through the years it went from “what the heck am I doing here?” to “I am loving this!” Here’s what happened:

I moved to the USA for the first time in February of 2011, after signing up for the Au pair program with Cultural Care without a clue of what was really waiting for me (you can read about that in the Au pair Tales session), flying right into JFK the day after my commencement ceremony. But there was a whole soap opera before I boarded. I had a horrible stomachache and I couldn’t stop crying. That’s right. My parents and sis were at the airport with me and, although I wanted that experience so bad, leaving the nest, my whole world behind, my references, was dreadful and scary. From the training school in Long Island, I flew to my first host family in Atlanta. I say first because I did have three host families within one year. Therefore, for those of you who fear a rematch and keep putting up with a family who’s just not a fit for you, please don’t! If your relationship is fixable try to work it out. If not, be brave! I rematched twice and nailed it on the third time!

Anyways… my first two months were terrible. I felt extremely homesick. I knew no one and the most basic human need undertook me: hunger. I didn’t know where to find food the way we know it – Note that Americans eat a lot of sandwiches, mostly for lunch. It is very common to have lighter lunches and heavier dinners when they cook pasta, rice, steaks, which are meals more similar to what we are used to, and one can only eat sandwiches for so long! Another challenge was the pollen. Spring started and I had constant sinus infections because of it. Then there was also the low temperatures. If you are coming from Porto Alegre or some other Siberian part of Brazil, you won’t find it that bad, but when you come from the Southeast up, gee it’s cold!

Within time though, I learned where to find Brazilian food, and shortly after moving into this family, I got relocated to my second host family in Miami, city in which there are all kinds of food everywhere, no pollen, and the week-long mild winter is followed by 358 days of “For God’s sake, put the AC on!” . In Miami, I started to make friends, go to school, improve my English and my Spanish. I was fed, happy, and gradually became fonder and fonder of the land of Uncle Sam.

 

🇧🇷 Menina,viajei! em Morando fora: dores de novata…

Eu não posso falar em nome de todas as pessoas que moram ou moraram fora, mas posso com certeza compartilhar as minhas experiências. Há cerca de um mês me perguntaram como foi a experiência de me mudar para os Estados Unidos e como é morar fora, e eu posso dizer que com os anos foi de “o que que eu estou fazendo aqui?” para “amo muito tudo isso!” Não sei, só sei que foi assim:

Eu me mudei para os Estados Unidos pela primeira vez em fevereiro de 2011, depois de me inscrever no programa de Au pair pela Cultural Care, sem imaginar o que de fato estaria esperando por mim (você pode ler algumas dessas histórias na sessão Au pair Tales), e voei direto pro JFK no dia seguinte a minha colação. Mas foi a maior novela antes do meu embarque. Eu tive uma dor de estômago terrível e não conseguia parar de chorar. Isso mesmo. Meus pais e irmã estavam no aeroporto comigo e, embora eu quisesse muito viver essa experiência, sair do ninho, deixar meu mundo todo para trás, minhas referências, era doloroso e assustador. Da escola de treinamento em Long Island eu voei para a casa da minha primeira hostfamily em Atlanta. Eu digo primeira porque eu tive três famílias no meu ano de Au pair. Portanto, para você que tem medo de “rematch” e continua aguentando uma família que não é boa pra você, por favor, não faça isso! Se os problemas que você tem com a família forem remediáveis, tente consertar as coisas. Se não forem, seja corajoso (a)! Eu tive dois rematches e finalmente “acertei a mão” na terceira família!

Continuando … meus primeiros dois meses foram horríveis. Eu senti muita falta de casa. Eu não conhecia ninguém e a necessidade humana mais básica tomou conta de mim: fome. Eu não sabia onde encontrar comida da maneira como conhecemos – Note que americanos comem muitos sanduíches, principalmente como almoço. É bem comum eles comerem um almoço mais leve e jantares mais pesados, que é quando eles conzinham massa, arroz, carnes, que são comidas mais parecidas com o tipo de comida que estamos acostumados, e chega num ponto que eu não aguentava mais comer sanduíche! Outro desafio era o polén. A primavera começou eu eu tinha sinusite direto. Também tinha a questão do frio de cair o bigode. Se você é de Porto Alegre ou outra parte congelante do Brasil, não vai achar tão frio assim, mas quando você está acostumado com o inverno do sudeste, pai do céu é muito frio!

Com o tempo, entretanto, eu aprendi onde encontrar comida brasileira, e dois meses após me mudar para essa família, eu me mudei para uma nova família em Miami, cidade onde há todos os tipos de comida por toda parte, não há polén, e o inverno brando de uma semana é seguido por 358 dias de “Pelo amor de Deus, liga o arcondicionado!”. Em Miami eu começei a fazer amigos, frequentar a escola, melhorar o meu inglês e espanhol. Eu estava alimentada, feliz, e gradualmente me tornando cada vez mais interessada na terra do tio Sam.

Survival English

Survival English #2 – Aprenda a “se virar” – INGLÊS NO AEROPORTO, AVIÃO E IMIGRAÇÃO

Survival English 2

🇧🇷 Todo mundo que tem uma mãe por perto em algum momento já testemunhou o cumprimento de alguma profecia. Oi? Isso mesmo. Eu, por exemplo, fico tão chateada quando o dia está lindo e ensolarado e a minha mãe fala “leva um guarda-chuva que mais tarde vai chover!” Por que “guess what” (advinha)? Chove! Oh boca de profeta! Por isso, quando sua mãe disser “vai estudar! Conhecimento ninguém tira de você!” “Listen to her” (dê ouvidos à ela) porque eu não sei onde mãe faz curso de “psychic” (vidente), mas elas simplesmente sabem das coisas!

E, diferente de aquisições materiais, assim como o conhecimento, experiências também nunca poderão ser tiradas de você. Sendo assim, um jeito “awesome” (incrível) e “smart” (esperto) de acumular experiências e “spend some money” (gastar um pouco de dinheiro) é “traveling” (viajando). Quando a trip (viagem) é dentro do nosso país, “it’s all a matter of packing and leaving” (é só uma questão de fazer as malas e partir), mas e quando a “trip” (viagem) é “abroad” (para fora do país)? Neste caso, falar inglês “comes in handy” (é útil).

Então se você ainda não assistiu ao vídeo “INGLÊS NO AEROPORTO, AVIÃO E IMIGRAÇÃO: aprenda a “se virar” | Survival English #2,” não perca! E pra você que já assistiu, aqui segue uma “recap” (recapitulação) do vocabulário e das “key sentences” (frases coringa) que a Carina ensina, reacheada de mais dicas e respostas às perguntas na sessão de comentários do vídeo no YouTube.

Airport – Aeroporto

– Flight Information Display System (FIDS) – Painel de informações

– Arrivals – Chegadas

– Departures – Decolagens/Partidas

– Flight Number – Número do vôo

– Flight Status – Status do Vôo

  • Delayed – Atrasado
  • On time – No horário certo
  • Check-in open – Check-in aberto
  • Canceled – Cancelado
  • Boarding/Now boarding – Embarque iniciado

– Check-in – Check-in (hehe)

  • Ticket – Passagem
  • Passaport – Passaporte

*Check-in Tip: Aqui nos Estados Unidos, o check-in pode ser feito online tanto pelo site da airline (companhia aérea) quanto baixando o app (aplicativo) da airline no celular. O check-in online é liberado 24 horas antes do horário da decolagem e é maneira mais conveniente e comum de fazer check-in por aqui. Outra vantagem é que voando com algumas airlines, como a Southwest por exemplo, você não pode escolher o seu assento quando compra a passagem. Eles têm um sistema de “first come, first serve” (pela ordem de chegada), isto é, os primeiros a fazerem o check-in terão os assentos mais na frente da aeronave e embarcarão primeiro.

Caso você prefira fazer o check-in no “counter” (balcão) esse é o possível diálogo que você irá vivenciar:

Agente:Can I see your ticket and your passaport, please? (Posso ver sua passagem e seu passaporte, por favor?)

Você: – Yes, sure (sim, claro – e entregue os documentos solicitados)
Here they are (Aqui estão – e entregue os documentos solicitados)
– Não diga nada e entregue os documentos solicitados. Nem sempre precisamos dizer alguma coisa, mas dar pelo menos um “friendly smile” (sorriso amigável) ou “nod in agreement” (balançar a cabeça concordando com a solicitação) “goes a long way” (te leva longe/ajuda muito).

 Caso você tenha preferência por um “seat” (assento) específico:

 Você:Can I get a seat near the aisle? (Posso sentar perto do corredor?)

Outras maneiras de solicitar um assento específico:

  • Can I have an aisle seat? (Posso sentar em uma poltrona do lado do corredor?)
  • Can I have a window seat? (Posso sentar em uma poltrona do lado da janela?)
  • Can I have a middle seat? (Posso sentar na poltrona do meio? – Nunca vi ninguém gostar de sentar no meio, mas tem gosto pra tudo nessa vida!)
  • Can I have a seat in the back? (Posso sentar na parte de trás do avião?)
  • Can I have a seat by the restroom? (Posso sentar perto do banheiro? – não recomendo porque, caso você nunca tenha voado, banheiro de avião tem um cheiro terrível, bem parecido com cheiro de banheiro químico. Arde o nariz!)

– Luggage/Baggage – Bagagem

  • Suitcase/Bag – Mala
  • I need to check-in my luggage. (Preciso despachar minha bagagem)
  • Carry-on – Mala de mão

 – Are you checking in luggage or carrying on? (Vai despachar bagagem ou somente levar bagagem de mão?) 

Yes / No (Sim / Não)
*Note: A pergunta mais comum feita pelos agentes das companhias aéreas aqui nos Estados Unidos é “Are you checking any bags?” (Vai despachar alguma mala?), porque se você responder “No” eles “assume” (supõem) que ou você tem somente bagagem de mão ou nenhuma bagagem.

– Boarding time – Horário de embarque

Assim que você termina seu processo de check-in, você pode perguntar ao agente:

Você:Where do I go next? (Para onde eu vou agora?)

Agente:To the TSA (Transportation Security Administration) or To the security line/check point (Para a fila da segurança)

*Note: The Transportation Security Administration (TSA) is an agency of the U.S. Department of Homeland Security that has authority over the security of the traveling public in the United States. It was created as a response to the September 11, 2001 attacks.

– Gate – Portão de embarque

– Boarding Pass – Cartão de Embarque

– Photo ID or ID – Documento de Indetificação com foto

– Driver’s License (DL) – Carteira de motorista (Para quem mora nos EUA e já tem uma DL, não precisa carregar o passaporte em vôos domésticos, apenas a DL é suficiente como ID).

– Seat – Poltrona/Assento/Banco

– Take-off – Decolagem

– To take off – Decolar

– Landing – Pouso

– To land – Pousar

Airplane – Avião

– Flight Attendant – Comissário (a) de bordo

Ladies and gentlemen, welcome aboard! (Senhoras e senhores, bem-vindos a bordo!)

Please stow your carry-on luggage underneath the seat in front of you or in an overhead bin. (Por favor, guardem a sua bagagem de mão embaixo do assento em frente a você ou no compartimento de bagagem acima da sua poltrona).

– Please take your seat and fasten your seatbelt. (Por favor, dirija-se ao seu assento e afivele seu sinto de segurança).

Please set electronic devices into airplane mode after door close. (Por favor, coloque seus equipamentos eletrônicos no modo avião depois que a porta fechar).

– Headsets – Fones de ouvido

*Note: Em inglês existem palavras específicas para diferentes tipos de headsets. Por exemplo, headphones é um termo utilizado para se referir a qualquer tipo de fone de ouvido ou especificamente a fones como o Beats by Dre. Mas para referir-se aos fones de ouvido que são inseridos em sua orelha, como o Beats X, usa-se a palavra earbuds.

– Blanket – Cobertor

Would you like something to drink? (Gostaria de algo para beber?)

A Coke, please. (Coca-cola, por favor)

A beer, please. (Uma cerveja, por favor)

*Note: “Keep in mind” (lembre-se) que a idade legal para beber nos Estados Unidos é 21 anos. Portanto, seu ID será solicitado para a compra de qualquer bebida alcoólica em qualquer lugar, incluindo vôos em solo Americano, assim como para entrada e permanência em alguns estabelecimentos que vendem bebidade alcoólica como night clubs e barzinhos, por exemplo. Alguns permitem a entrada, mas carimbam sua mão ou te dão uma pulseira identificando você como “underage” (menor de idade/21 anos).

*Drinking Tip: Uma maneira de pedir um coquetel sem alcool em inglês é usando a palavra “virgin” (virgem)

Can I have a virgin Piña Colada, please? (Poderia me trazer uma Piña Colada sem alcool, por favor?)

– Immigration Form – Formulário da imigração

*Note: Em viagens aos Estados Unidos esse formulário é azul e branco e, normalmente, entregue pelos comissários (as) de bordo um pouco antes do pouso. Ele contém perguntas como o endereço que você vai ficar; se está trazendo familiares, comida, plantas, animais, ou outras coisas “vivas;” quanto de dinheiro você está trazendo (porque acima de dez mil dólares americanos você terá que explicar pra imigração a origem e a razão de trazer tanto “cash” (dinheiro em espécie); também pergunta sobre seu endereço de residência; seu número de passaporte, dentre outras perguntas relacionadas a sua origem, destino, estadia, e pertences. Note que em vôos do Brasil aos EUA, esses formulários já estão disponéveis em Português, então “you don’t need to sweat about it!” (Você não precisa se preocupar!)

*Fun Fact: No aeroporto de Miami e Atlanta eu já presenciei intérpretes de língua portuguesa sendo chamados para dar assistência ao oficial de imigração na entrevista de admissão. Não sei afirmar se é um serviço consistentemente disponível, mas considerando o grande número de turistas brasileiros que entram por esses aeroportos, “it makes sense” (faz sentido) que intérpretes estejam “available” (disponíveis).

Thank you for flying with us! (Obrigada por voar conosco!)

*Landing Tip: Quando o capitão estiver há uns 40-30 minutos do destino, você ouvirá a seguinte mensagem: – “Fasten your seat belts, make sure your seat back and folding trays are in their full upright position”, que nada mais é que as instruções para um pouso seguro, também ditas em vôos brasileiros: “afivelem seus cintos de segurança, coloquem a poltrona na posição vertical, e travem sua mesinha.”

Immigration – Imigração

Why are you visiting the United States? (Por que você está visitando os Estados Unidos?)

Why are you visiting England? (Por que você está visitando a Inglaterra?)

– What’s the purpose of your visit? (Qual o porpósito da sua viagem?)

  • I’m here on vacation. – Vim de férias.
  • I’m here on business. – Vim a negócios.

*Immigration Officer Talk Tip#1: As perguntas feitas pelo oficial de imigração te entrevistando são para saber se o motivo da sua visita está de acordo com o tipo de visto que você possui. No caso dos Estados Unidos, por exemplo, se você possuir um visto B1/B2 – que é visto de turismo e visita de negócios – e você disser ao oficial que você está vindo para trabalhar, você será deportado de volta ao seu país de origem.

– Where will you be staying? (Onde ficará hospedado?).

  • At this hotel – Neste hotel (entregue o endreço/reserva).
  • At a friend’s house – Na casa de um amigo (a) (tenha o endereço em mãos, se possível).
  • This is her/his address – Este é o endereço dela/dela.

*Immigration Officer Talk Tip#2: Embora não seja obrigatório, vale a pena trazer com você o endereço do seu hotel, preferencialmente sua reserva. Caso vá ficar com amigos ou parentes, além de trazer o endereço anotado, informe-se sobre o que seu amigo ou parente faz aqui – se for estudante: qual escola/qual curso; se for trabalhador – qual empresa, e etc). Você não é obrigado a saber e ter todas as respostas, mas da mesma maneira que nos preparamos para a entrevista do visto, devemos nos preparar para explicar ao oficial de imigração o porquê da nossa viagem e qual nosso itinerário. E a regra mais importante: NUNCA minta para o official de imigração. Se você não sabe uma resposta, seja honesto e responda “I don’t know” (Não sei).

How long will you be staying? – Vai ficar quanto tempo?

  • About a week. – Mais ou menos uma semana.
  • Fifteen days. – Quinze dias.
  • A month. – Um mês.

 *Note: Existe uma diferença entre a válidade do seu “visa” (visto) e seu “status” (o seu direito de permanência nos Estados Unidos, dependendo do tipo de visto que você tenha). Um visto de turismo americano (B2), por exemplo, pode ter validade de até 10 anos, mas o direito de estadia do portador desse visto é de apenas 6 meses por entrada nos EUA. Já o visto de estudante (F1), por exemplo, tem válidade de 1 a 4 anos (dependendo do curso que o estudante irá fazer), mas o direito de estadia deste visto é indeterminado, isto é, enquanto o (a) estudante estiver matriculado (a) em uma instituição de ensino, ele (a) pode permanecer no país legalmente. Resumindo, vistos servem somente para permitir nossa entrada, “re-entry” (readmissão aos EUA no caso de sairmos do país), e nos enquadrar em determinada categoria “imigratória” ao sermos admitidos or readmitidos. A validade dos vistos não determinam a validade do nosso período de permanência. Siga-me @meninaviajei e www.meninaviajei.com para mais dicas sobre vistos, intercâmbios, e a vida na terra do tio Sam.

Welcome to America! – Bem-vindo (a) a América!

*Note: Embora “América” seja o nome do continente, os Estados Unidenses, e outros falantes de língua inglesa, se referem aos Estados Unidos como “América.”

– Welcome to England – Bem-vindo (a) à Inglaterra!

Baggage Claim – Reinvindicação de bagagem

Excuse me, where can I get a taxi? – Com licença, onde eu posso pegar um taxi?

Enjoy your trip! – Aproveite sua viagem!

 

Sessão #meninaviajei responde:

Taxi vs Cab – A palavra “taxi” e a palavra “cab” são sinônimos e significam “taxi.” Hoje em dia, entretanto, aqui nos Estados Unidos, é mais comum pegar um Uber. E assim como os falantes de língua inglesa transformaram o substantivo próprio “Google” em um verbo – e saem por aí dizendo “Why don’t you google it!?” (Por que você não “googla” isso!?/ Por que você não “procura” no Google!?) – eles também fizeram isso com o substantivo próprio “Uber” e , por isso, é muito comum ouvirmos Americanos dizendo “I’m going to uber home” (eu vou “uberar” para casa/ eu vou para casa de uber) ou “I’m ubering” (Vou “uberar”/ vou de uber).

Emergency Exit Seating – Esses são os assentos localizados nas saídas de emergência. A vantagem de sentar nesses assentos é o conforto extra oferecido pelo “extra leg room” (espaço maior entre a sua poltrona e a da frente). Mas como todo privilégio vem com uma responsabilidade, embora não seja agradável pensar no pior, por questões de segurança em caso de emergência (avião cair), em todos os vôos os comissários irão perguntar se as pessoas sentadas nas “exit rows” atendem aos seguintes requisitos:

  • Passenger must be able to comprehend instructions for operating the emergency exit including locating and operating a window exit or exit door and directing others to the exit

*Passageiro (a) deve estar apto (a) a compreender as instruções de operação da saída de emergência, incluindo localizar e operar a janela e a porta de saída e orientar outros passageiros a saírem da aeronave

  • Passenger must not be under 15 years of age

*Passageiro (a) deve ter mais de 15 anos de idade

  • Passenger must not have a condition or responsibility, such as caring for small children that might prevent them from performing the applicable exit row functions

*Passageiro (a) não deve ter nenhuma “condição” física (e/ou mental) ou responsabilidade, como ter que cuidar de crianças pequenas, que poderiam imperdir-lhe de executar qualquer umas das funções da saída de emergência

  • Passenger must be physically able to open an exit door and to lift and stow a 31-52 pound window exit

*Passageiro (a) deve estar apto (a) à abrir a porta do avião e manusear a janela de saída que pesa de 14 a 24 kg

  • Passenger must not require the use of a seat belt extension (this limitation is intended to preclude the hazard of entanglement with the additional length of the extension by those passengers attempting to expeditiously exit the aircraft)

*Passageiro (a) não deve necessitar uma extensão do cinto de segurança (essa limitação é para evitar o perigo de enroscar com o sinto regular e atrapalhar a saída de outros passageiros que também estão tentando sair da aeronave rapidamente)

  • Passenger must be able to quickly activate the evacuation slide and help others off of it

*Passageiro (a) deve estar apto a ativar rapidamente a rampa inflável de evacução e ajudar outros passageiros a descerem por ela

Para mais detalhes sobre as “rules and regulations” (regras e regulamentos), clique aqui.

 

Em parceria com a Carina Fragozo, o time do @meninaviajei estará recapitulando os episódios do Survival English e respondendo às perguntas de vocês. Caso tenham outras perguntas podem mandar e-mail para meninaviajei@gmail.com e sigam o meninaviajei no Instagram para receberem os updates do meninaviajei.com e do canal no YouTube que estará dividindo os altos e baixos e as curiosidades da vida de uma estudante brasileira nos Estados Unidos e dando dicas sobre o que esperar e o que fazer quando já estiver aqui.

Living Abroad

The moment when my penny dropped…

IMG_3380

🇺🇸 I left Brazil to come to the US on February 13th, 2011, a Sunday night. It was my first international flight. The plane was huge and kind of empty and, as the night went on and all passengers gradually fell asleep in their seats, I found an empty three-seat-row in the back, in which I made a bed to my lengthy 5’2” self and passed out. I woke up in John F. Kennedy airport in NY – keep in mind that I’m skipping the entire breakfast service and the “Fasten your seat belts, make sure your seat back and folding trays are in their full upright position” prior to landing commands. Once my group and I got off of the plane – and that felt like forever! – we went quickly through immigration and were welcomed into the USA.

But it wasn’t when the immigration officer, who admitted me, friendly said, “Welcome to America” that I realized that I was here; nor was when I walked outside with my Au pair group to catch the shuttle to the training school, and learned that Brazilian sweatshirts are not made for NY winter – the temperature in February has highs of  40F, if you’re lucky, making you cold everywhere, including parts of your body that you would never consider – that I realized I was here; Even looking at all the dirty ice hills on the curb and the leftover snow on the trees and house roofs didn’t make my penny drop, although I had never seen snow before.

Everything was new, different, cool, foreign, but not exactly American. Then, on our way to St. John’s University in Long Island, my shuttle stopped at a traffic light. On its right side stood a yellow school bus, just like in the movies, and on its left side, there was a guy drinking a Dunkin coffee and eating a donut. And this, folks, was the precise moment that I realized I had been welcomed to the United States of America!

 

🇧🇷 Menina, viajei! em Morando fora: o momento em que minha ficha caiu…

Eu sai do Brasil para vir aos Estados Unidos dia 13 de fevereiro de 2011, um domingo à noite. Foi meu primeiro voô internacional. O avião era enorme e estava um pouco vazio e, conforme a noite foi passando e todos os passageiros foram caindo no sono em seus assentos, eu encontrei uma fileira no fundo do avião com três assentos vazios, a qual eu transformei numa cama para meu extenso corpo de um metro e meio, e “capotei.” Acordei no aeroporto John F. Kennedy em Nova Iorque – lembre-se que eu estou pulando todo o serviço de bordo de café da manhã e todas as ordens de “Afivelem seus cintos de segurança, coloquem a poltrona na posição vertical, e travem sua mesinha” dadas pelos comissários de bordo antes de pousos e decolagens. Assim que meu grupo e eu saímos do avião – o que pareceu levar um século! – passamos rapidamente pela imigração e fomos recebidas nos EUA.

Mas não foi quando o oficial de imigração que me admitiu e me disse amigavelmente “Bem-vinda à América!” que eu percebi que estava aqui; Também não foi quando eu sai do aeroporto com meu grupo de aupairs para pegar o ônibus para a escola de treinamento, e aprendi que moletom do Brasil não foi feito para invernos Nova Iorquinos – a temperatura em fevereiro tem altas de 4℃, se você tiver sorte, fazendo você sentir frio em todos os lugares, inclusive em partes do seu corpo que você nem imagina que seria possível;  Nem mesmo ver todo o gelo sujo amontoado na calçada e o resto de neve nas árvores e nos telhados não fez minha a ficha cair, muito embora eu nunca tivesse visto neve antes.

Tudo era novo, diferente, legal, estranho, mas não exatamente Americano. Até que então, no nosso caminho à universidade de St. John’s em Long Island, meu ônibus parou em um semáforo. Do nosso lado direito parou um daqueles ônibus escolares amarelo, igualzinho ao dos filmes, e do lado esquerdo parou um carro, com um cara tomando um café do Dunkin e comendo um donut. E foi bem aí, pessoal, nesse exato momento, que eu percebi que eu estava nos Estados Unidos da América!

Living Abroad

Rule#1: Know that you don’t know!

gated home

🇺🇸 When it comes to everyday stuff, living abroad is not that different than living in your home country. Unless, of course, you are leaving behind a glamorous or sheltered life to venture yourself out into foreign lands with no shelter or glamour. But if you just have a regular life in which you have to go to work and school, clean your place, grocery shop for yourself, do laundry, then you still have to do those things when you are living abroad. Unless, again, you are going Alexander Supertramp on your venture and decide to super downsize and live off the wild and fortune.

But then what is different? We watch so many American movies that make us feel so close to the United States that it’s almost like we live here. Apart from all the adorable wood homes surrounded by porches with swings and swing chairs, featuring non-gated front yards with beautifully mowed lawns, it’s the same as in Brazil, isn’t it? They wear Nike, so do we. They wear Levi’s, so do we. They eat burgers and pizza, we do too!

Yeah, not so fast, folks! Not even the Coke here tastes the same! It’s sweetened with corn syrup instead of sugar cane. Some houses are in fact gated. Moreover, unless you are near a Brazilian community (yes! Our people are all over the USA and highly concentrated in certain areas), you are no longer going to eat Brazilian food or hear any Portuguese, and no matter how great your English is, there is a point for all of us that you just need to express your self in Portuguese, because you are just smarter in Portuguese. True story. And if you are already here, you have felt that kind of impotence before, if you haven’t, consider that an “I haven’t YET”.

Also, changing your lifetime dietary habits is much harder than you think. You may develop allergies and diarrhea, gain or lose weight (most likely gain – sorry!). I’m not trying to talk you out of a cultural exchange experience idea, on the contrary, I’m sort of a cultural exchange program activist! I think everybody should try leaving their comfort zone for at least a while. All I want is for you to come knowing that you actually don’t know and should prep your mind for a high, but fun, learning curve.

 

🇧🇷 Menina, viajei! em Morando fora regra#1: Saiba que você não sabe!

Quando se trata de coisas do dia-a-dia, morar fora não é tão diferente de morar no país em que você nasceu e cresceu. A menos, é claro, que você esteja deixando para trás uma vida glamurosa ou cheia de colinho da mamãe para se aventurar em terras estrangeiras sem colinho da mamãe ou glamur. Mas se você tem uma vida normal na qual você tem que trabalhar e ir à escola, limpar a casa, fazer compras no supermercado, lavar sua roupa, neste caso, você ainda tem que fazer todas essas coisas quando você mora no exterior. A menos que você decida viver sua aventura no estilo Alexander Supertramp e corte praticamente todos os seus recursos para viver da natureza e da sorte.

Mas então, o que é diferente? Nós assistimos a tantos filmes americanos que nos fazem sentir tão próximos dos Estados Unidos que é quase como se morássemos aqui. Com excessão das lindas casas de madeira, cercadas por uma varanda com balanços e cadeiras de balanço, com quintais sem muros e portões, com gramados verdes e bem aparados, os Estados Unidos é igual ao Brasil, não é? Eles usam tênis da Nike, nós também. Eles usam calça da Levi’s, nós também. Eles comem hamburgueres e pizza, e nós também!

Opa, respira, pessoal! Nem mesmo a Coca-Cola americana tem o mesmo gosto da brasileira! Aqui é adoçada com xarope de milho ao invés de cana de açúcar. Algumas casas tem muro e portão sim. Além disso, a menos que você more perto de uma comunidade brasileira (sim! Nosso povo está por todo os Estados Unidos e altamente concetrado em certas áreas), você não vai mais comer comida brasileira ou ouvir as pessoas falando português, e não importa o quão afiado seu inglês seja, chega um momento para todos nós que você precisa se expressar em português, porque você é simplesmente mais “inteligente” em português. Sério mesmo. E se você já mora aqui, você já sentiu esse tipo de impotência antes, e se não sentiu, considere sua situação como “não senti AINDA.”

Outra coisa, mudar os seus hábitos alimentares de uma vida toda é muito mais difícil do que você possa imaginar. Você pode desenvolver alergias e diarréia, ganhar ou perder peso (muito mais provavelmente ganhar – sinto informar!). Eu não estou tentando te convencer a desistir da ideia de fazer um intercâmbio, pelo contrário, eu sou um tipo de ativista em prol de programas de intercâmbio cultural! Acho que todo mundo deveria tentar deixar sua zona de conforto por pelo menos um tempo. Tudo o que eu quero é que você venha sabendo que você na verdade não sabe, e que deve preparar sua mente para uma curva de aprendizado alta, mas divertida.